Você é importante!

 Na vida não existe “rascunho”! É importante assumir a oportunidade que passa, pois nem sempre dá para “passar a limpo” tudo o que foi feito de errado ou de certo. Perceba que a oportunidade está no presente e não no passado. Então, aproveite esse momento, pois ele nunca se repetirá. Se não for agora, quando será? Mãos à obra!
 Negar a necessidade de mudança não elimina um problema. Infelicidade é, antes de tudo um estilo de vida, uma forma de olhar o mundo pelo lado contrário, é você se lamentar daquilo que poderia ter acontecido, ao invés de tirar proveito do momento atual. Porém, muitas vezes acontece que, à medida que vamos sendo educados e influenciados, durante a infância e adolescência, deixamos que o pensamento do outro apague nossas próprias ideias e opiniões, e perdemos a rota original de nossa própria existência. Deixamos de fazer aquilo que nos realiza e passamos a agir em função dos outros: de pais, professores e, depois, de toda a sociedade.
 Nosso objetivo de vida nos é imposto e passamos a condicionar nosso êxito ao aplauso das pessoas que nos cercam. Para continuar merecendo essa aprovação, abandonamos, progressivamente, a nossa vocação e passamos a realizar os desejos alheios.
 A maioria das pessoas vive para ser admirada por uma multidão de olhos que, muito provavelmente, não se cruzarão mais. Quando param para perceber o rumo dado à sua vida, verificam que apenas colecionaram “cupons” que não servem para nada.
 Quem consegue realizar metas pessoais é feliz e desperta admiração devido à sua integridade como pessoa. Ao contrário, quem vive para ser admirado sempre será infeliz, porque está deixando de lado o compromisso consigo mesmo.
 Não se consegue ser feliz valorizando mais a opinião dos outros do que seus próprios sentimentos. Alguns se sentem infelizes, e pensam: “Se os outros estão aplaudindo é porque estou no caminho certo”. E assim avançam nas suas frustrações.
 Você é mais importante do que qualquer julgamento humano alheio. Para ser feliz, viva para surpreender a si próprio e não aos outros. Seja coerente consigo mesmo, não se importando se os outros aprovam ou não. “Tomar as rédeas” da própria vida é função nossa e de mais ninguém!


Cônego Pedro Paulo Scannavino
Paróquia São João Batista

FCTV Web